• Home /
  • Sobre /
  • Contato /
  • Categorias
  • Mãe, TPM e Lily Allen

    Imagem: We♥it
    Olho para a página em branco e a seta que não para de piscar, é difícil começar a escrever, mas assim que as palavras vão surgindo em minha mente já vou sabendo como encaixa-las, pouco a pouco elas vão brotado, assim como as lágrimas que percorrem minha face. Pensei muito sobre o que escrever antes de começar e nada me parecia suficientemente bom, pensei em passar a limpo o rascunho de um poema que escrevi outro dia, ou repostar um post antigo que teve poucas visualizações, pensei até em não fazer nada, mas a verdade é que estou cansada de não fazer nada, ou pelo menos nada na visão das pessoas ao meu redor. Começa a tocar uma de minhas músicas favoritas no celular, 22 de Lilly Allen, ela fala tanto comigo, como eu me sentia a anos atrás e como volto a me sentir assim hoje.
    Tenho tantos projetos em andamento, tantos planos para serem colocados em prática, e tudo que ouço dizerem é que eu não faço nada, será que tenho que mostrar ou provar a cada minuto do meu dia o que estou fazendo, postar de cinco em cinco minutos no facebook que terminei mais um projeto, sinceramente não sei como alcançar a aprovação de uma pessoa em particular, minha mãe, sim ela é a pessoa que mais me atormenta durante os meus dias, durante os dois últimos anos da minha vida fui chamada de desocupada, vagabunda, que não queria saber de arrumar um emprego, e foi assim sendo uma desocupada que terminei meu primeiro livro e entrei na faculdade, no dia do meu lançamento estava lá minha mãe toda orgulhosa de sua filha mais velha que havia escrito um livro e que tinha sido minha maior incentivadora, e de fato ela foi, sempre me incentivou a escrever, porém eu ouvi mais palavras duras do que de incentivo, e hoje quando tudo está melhor eis que me vem a tona tudo de novo, acabei de chegar da casa dela, vim embora chorando, não sei se o fato de eu estar menstruada me torna mais sensível ao que ela me disse, mas me sinto muito mal, tenho 26 anos e minha mãe ainda me trata como se eu tivesse 6, como se eu fosse uma irresponsável, não que eu seja o melhor exemplo do mundo de sanidade, mas sempre fiz tudo certinho, me casei na igreja de véu e grinalda como "ELA" sonhou, não tenho filhos, e sou a aberração da família por ter uma mente super aberta, já minhas duas irmãs são as filhas perfeitas, ambas mães solteiras, não estou julgando gente, tenho muito orgulho das minhas irmãs pois os caras eram uns babacas, porém as duas tem "empregos" e é isso que as torna melhores do que eu na visão da minha mãe.
    Não sei o que pensar dessa situação toda, afinal de contas ela é minha mãe e eu a amo, e sei que ela me ama também, mas às vezes bem que eu gostaria que ela tivesse um filtro antes de simplesmente cuspir na minha cara tudo que ela pensa, eu normalmente não me importo com as coisas que ela fala, mas quando estou nessa época do mês é como se minha mente se expandisse e tudo fosse um campo minado prestes a explodir, e no caso a bomba sou eu, e já explodi hoje.


    Comentários
    32 Comentários

    32 Comentários:

    1. Nem sei o que comentar, chorei aqui também com seu texto. E, também aos 26 me sinto sem rumo na vida. Com dois agravantes: nem casei nem tenho livro. A sensação que meu tempo já passou é dilacerante. A música de Lilly Allen sempre me machucou. It's sad but its true how society says your life is already over.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Essa música sempre me machucou também, casar é questão de escolha e escrever um livro é questão de ter sobre o que escrever, porém a sociedade nos força a escolhas que são contra a nossa vontade infelizmente, tenho essa sensação também, de que meu tempo já passou, é normal se sentir velha aos 26 anos? é assim que me sinto.
        beijos

        Excluir
    2. AMO Lily Allen! <3
      Vou te dizer que tambem me sinto meio sem rumo as vezes sabe... Principalmente agora que acabei a faculdade e nao estou arrumando emprego!
      Bate aquele desespero absurdo!
      Parabens pelo texto
      Beijao
      Gio - Clube das 6
      www.clubedas6.com.br

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Sei bem como é rsrs, mas sei que é uma fase,
        e como fase sempre passa, boa sorte para nós.
        beijos

        Excluir
    3. Eu tô saindo do ensino médio e nunca me senti tão perdida na vida. É meio punk porque você espera ajuda de alguém e ai as pessoas só tacam mais peso em você. É bad, mas a gente vai superar.
      www.belapsicose.com

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Quando eu sai do ensino médio, fiquei dois anos sem fazer nada, e ai decidi me casar, minha mãe quase enlouqueceu, rrss.
        é difícil quando as pessoas colocam suas expectativas em cima de nós, mas enfim boa sorte para nós rsrs.
        beijos

        Excluir
    4. Eu tô saindo do ensino médio e nunca me senti tão perdida na vida. É meio punk porque você espera ajuda de alguém e ai as pessoas só tacam mais peso em você. É bad, mas a gente vai superar.
      www.belapsicose.com

      ResponderExcluir
    5. Sem palavras, o texto me traduziu muito bem, há alguns anos. Hoje, não me preocupo mais com aprovações, nem com a minha, estou mais a música "Deixa a vida me levar..."
      Essa coisa de ser mal vista na família sempre foi comum na minha vida, porém sinto orgulho. Não quero ser igual as mulheres da minha família, presas em opressões, desamores, infelicidades, falta de gozo; não quero agradar mamãe e papai... eles precisam entender que sou humana e vivo meus próprios conceitos... Nas verdade, já entenderam isso :D
      http://www.poesianaalma.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Sim eu penso da mesma forma que você, para mim o mais difícil é porque convivo com minha mãe diariamente, a casa que moro é dela, portanto as cobranças, não vejo a hora de me mudar, vai ser mais fácil não me importar.
        beijos

        Excluir
    6. Oi Jo, tudo bem? Gostei muito do seu texto e me emocionei lendo. Realmente é um problema isso de atender as expectativas dos pais, a gente sabe que eles querem o melhor para a gente, mas as vezes é pressão demais e realmente acabamos ficando frustrados. Adorei a música, ela é realmente muito boa e conversa com a gente.

      Beijinhos,

      Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada Rafaela, o pior é que sempre tentamos atender a essas expectativas, mesmo sendo difíceis.
        a música é linda e triste eu adoro.
        beijos

        Excluir
    7. Oi, Jo.

      Não conhecia a música da Lily, mas adorei.
      Não me casei e não tenho filho. Já irei fazer meus 30 anos e me sinto que não fiz nada da vida, mas as vezes me pergunto se será que isso é verdade? Não sei, mas vou seguir do meu jeito tentando ser feliz a minha maneira.

      Beijos.
      Visite: Paradise Books BR // Top Comentarista - After 1 e 2

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá Paula, adora essa música, mas as vezes me pergunto também se é verdade, faço tantas coisas, será que ser casada e ter filhos é realmente preciso para ser uma mulher realizada? acredito que a realização vem daquilo que nos faz feliz, e apesar de tudo que ouço me dizerem eu sou feliz.
        beijos e seja feliz flor.

        Excluir
    8. Oi Josi! Ler teu texto é como ler minha alma. rsrs! Sabe quando a gente se identifica com tudo o que o outro diz... Compartilho contigo de muitos sentimentos. Antes eles eram piores, mas tenho aprendido a lidar com eles! Oh! Te desejo tudo de bom! E bola pra frente porque teu sucesso é garantido!

      Beijocas!

      Pensamentos Valem Ouro

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada Vanessa, ler suas palavras me dão enorme conforto, é difícil mas assim é a vida, temos que aprender a conviver com algumas coisas.
        beijos

        Excluir
    9. Olá
      Poxa, seu texto foi tocante, não fui criada pela minha mãe e sim pela minha vó e sei que situações assim são um tanto complicadas, principalmente nessas épocas chatas kkk mas tudo passa, inclusive isso. Continue escrevendo com seu talento, ajuda muito ;)

      Beijos
      Catharina
      http://realityofbooks.blogspot.com.br/
      Feliz Páááscoa

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada Catharina, realmente escrever é uma terapia pra mim,
        é o que tem me mantido na minha trilha.
        beijos

        Excluir
    10. Olá, Jo! É assim mesmo, acho que a maioria passa por situações desse tipo. Sou casada, e tenho um filho de 2 anos e 8 meses, eu decidi sair do emprego por ele. Queria passar os primeiro ano cuidando dele. E agora que ele está maior, o coloquei em uma creche e estou fazendo faculdade a tarde e fazendo outros afazares nos outros horáarios, estudando, cuidando dele, da casa, do blog e etc. Mas sinto a cobrança por ainda não ter voltado ao mercado. Como que se eu não fizesse nada da vida. Muito chato isso. E eu odeio cobrança e minha mãe adora fazer isso, as vezes ignoro, para não ficar magoada. Porque quem fica mal, é a gente. E se sentido uma inútil. Mas, tudo passa! E a vida é nossa, a gente que temos que decidir o que é melhor para nós...

      Adorei o post. Beijinhos!

      http://www.livrosfilmeseencantos.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Nossa, você faz tanta coisa, não entendo como as pessoas ainda arrumam tempo para dizer que não fazemos nada, espero mesmo que tudo passe, estou ainda aprendendo a decidir o que é melhor para mim.
        beijos

        Excluir
    11. Olá, Jo! É assim mesmo, acho que a maioria passa por situações desse tipo. Sou casada, e tenho um filho de 2 anos e 8 meses, eu decidi sair do emprego por ele. Queria passar os primeiro ano cuidando dele. E agora que ele está maior, o coloquei em uma creche e estou fazendo faculdade a tarde e fazendo outros afazares nos outros horáarios, estudando, cuidando dele, da casa, do blog e etc. Mas sinto a cobrança por ainda não ter voltado ao mercado. Como que se eu não fizesse nada da vida. Muito chato isso. E eu odeio cobrança e minha mãe adora fazer isso, as vezes ignoro, para não ficar magoada. Porque quem fica mal, é a gente. E se sentido uma inútil. Mas, tudo passa! E a vida é nossa, a gente que temos que decidir o que é melhor para nós...

      Adorei o post. Beijinhos!

      http://www.livrosfilmeseencantos.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
    12. Oi Jo, tudo bem?
      Sei bem como se sente, minha mãe também vive me comparando com minha irmã: "sua irmã comprou a apartamento", "sua irmã namora faz 8 anos", entre outras coisas e nada que eu faça será suficiente para ela.
      Fiquei emocionada lendo seu texto.
      Bjs

      A. Libri

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Escrevi há um tempo atrás um texto chamado eu não sou a minha irmã, se puder dá uma lida, acho que todo mundo passa por esse tipo de situação, o que não o torna mais fácil para cada pessoa não é mesmo, temos que aprender a levar a vida assim ou dar um foda-se para tudo.
        obrigada pelo seu recadinho.
        beijos

        Excluir
    13. Olá tudo bem?
      Estas questões familiares são sempre muito complicadas mesmo, infelizmente! Nossos pais esperam que sejamos exatamente como planejaram, mas não levam em consideração que podemos e temos o direito de ser aquilo que quisermos ser. Acredito que o período do mês que vc está colabora para te deixar ainda mais sensível, mas passa logo mais ficará bem, torço por isso. Bjus!!!
      http://lendoaestante.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada, realmente é uma situação delicada, todo mundo passa por isso e ninguém está livre de passar um dia, o período do mês colabora e muito com a minha fragilidade emocional, mas eu vou me encaixando nessa bagunça.
        obrigada, beijos

        Excluir
    14. Olá guria, que interessante e cativante este texto ou desabafo seu. Bom, questões familiares sempre são tensos e complicados. Não há família perfeita e mães sempre são assim. Sempre pensam que ainda somos crianças e precisamos deles para tudo. Alias, esta música é bem tocante.
      Beijos...

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Irisvanda, muito obrigada pelo seu recadinho,
        realmente é uma questão complicada as familiares, mas a gente vai levando, a música é realmente tocante, sempre me machuca um pouco quando a ouço.
        beijos

        Excluir
    15. Oi Jo
      Voce conseguiu me emocionar com seu texto pois me identifiquei muito com ele... me sinto as vezes assim, perdida... e nada do que eu faço é o suficiente ou presta... :/

      beijos
      Mayara
      Livros & Tal

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada Mayara, espero que possamos superar, a vida é assim.
        beijos

        Excluir
    16. Oi, tudo bem?
      nem sei o que falar. às vezes nos sentimos assim, perdidos no mundo, como se não tivéssemos feito nada ainda. Eu tenho um bom emprego, do qual me orgulho, mas estou solteira, sem filho e beirando os 30, e tenho que aguentar piadinhas falando que meu relógio biológico já está vencendo.
      Graças a Deus minha mãe nunca me cobrou nada, nunca jogou nada na minha cara, pois não sei o que faria sem o apoio dela. Sinto muito mesmo que você esteja passando por uma fase tão pesada. Mas tenta se acalmar, e tenha certeza que você tem que fazer as coisas para você, suas conquistas devem ser suas, e não realização das vontades dos outros
      beijos
      meumundinhoficticio.blogspot.com.br

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Bruna, obrigada, seu comentário me deixou realmente mais animada, está na hora de fazer coisas por mim, sem me importar com o que os outros vão pensar.
        beijos flor e que tudo dê certo na sua vida.

        Excluir
    17. Atualmente nem posso mais culpar a TPM da minha mãe (menopausa já) por ela ser tão intransigente algumas vezes, por não ser tolerante comigo ou não ver que eu já sou grandinha e posso fazer as coisas sozinhas... mas... enfim... vou levando =P Gostei do texto, parabéns

      beijos
      Kel
      www.porumaboaleitura.com.br

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada Kel,
        realmente, já sou adulta, mas as vezes é tão difícil ser adulto,
        e nesses momentos o que mais quero é correr para o colo dela, e não
        que me compare com minhas irmãs ou julgue minha vida, enfim boa sorte para nós.
        beijos

        Excluir



     
    Copyright © Como vejo o mundo | Blog | Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por VR DESIGN :: VOLTE AO TOPO