• Home /
  • Sobre /
  • Contato /
  • Categorias
  • O mistério das sete relógios - Agatha Christie - Resenha de Josielma Ramos

    Sinopse: "Um tanto inusitado é o fato de que, ao final desta história, o leitor sentirá vontade de relê-la só para ter certeza de que a autora não lhe pregou uma peça." - Jornal The Scotsman
    "Durante uma temporada na distinta mansão Chimneys, um grupo de jovens espirituosos decide dar uma lição ao incorrigível Gerry Wade. Eles adquirem oito despertadores e os posicionam em seu quarto, para que finalmente acorde no horário apropriado da casa. A brincadeira toma um rumo inesperado quando Wade é encontrado morto em sua cama, vítima de uma aparente overdose.
    No entanto, como explicar que apenas sete dos oito relógios estejam no local do crime? Uma carta deixada por Wade para sua meia-irmã sugere uma possível pista, envolvendo uma sociedade secreta ligada à máfia. Será que há algum tipo de conspiração internacional por trás da morte do rapaz? Uma organização criminosa que pode fazer ainda mais vítimas? É o mistério que Lady Eileen Brent e seus amigos tentarão desvendar, com o auxílio do superintendente Battle." 

    Resenha: A história se inicia quando um pequeno grupo de amigos, da alta sociedade, se reúne para passar um final de semana agradável em Chimneys. Em meio a jogos de bridge, danças e passeios, o grupo decide pregar uma peça em Gerry Wade, um dos amigos que sempre acorda extremamente atrasado para as refeições da manhã.
    A partir dai tudo começa e se complicar, eles colocam em prática sua inofensiva brincadeira o jovem Wade, mas algo inesperado acontece, Gerry aparece morto. A morte aparentemente foi causada pelo uso de um sedativo em excesso, o que deixa alguns dos presentes assustados e outros desconfiados.
    Um inquérito é aberto para averiguar o suposto suicídio em Chimneys, só que mais outro jovem do grupo é morto, o que chama a atenção da Scotland Yard e de alguns dos amigos das vítimas. Os crimes parecem não ter mais fim, novas tentativas de assassinato e o suposto roubo de uma "fórmula" muito valiosa mexem com o enredo e a trama vai se estendendo. 
    As suspeitas caem sobre uma perigosa sociedade secreta, composta por personalidades estrangeiras. Alguns dos jovens, vendo a ineficiência da policia para solucionar os crimes, resolvem agir por conta própria e iniciam um investigação que pode por suas vidas em grande risco.
    A diagramação, está impecável, a editora Nova Fronteira fez um trabalho incrível nestas novas edições dos clássicos da rainha do crime, tanto na arte da capa que remetem diretamente ao enredo da obra, quanto na coloração das páginas, com leve tom amarelado que torna a leitura menos cansativa e mais fluente, o enredo nos prende de uma maneira tão gostosa que você não consegue para de ler, e tem capa dura, eu tenho uma paixão especial por livros de capa dura.

    Admirável Mundo Novo - Aldous Huxley - Resenha de Thales Augusto

    SinopsePublicado em 1932, Admirável Mundo Novo tornar-se-ia um dos mais extraordinários sucessos literários europeus das décadas seguintes. O livro descreve uma sociedade futura em que as pessoas seriam condicionadas em termos genéticos e psicológicos, a fim de se conformarem com as regras sociais dominantes. Tal sociedade dividir-se-ia em castas e desconheceria os conceitos de família e de moral. Contudo, esse mundo quase irrespirável não deixa de gerar os seus anticorpos. Bernard Marx, o protagonista, sente-se descontente com ele, em parte por ser fisicamente diferente dos restantes membros da sua casta. Então, numa espécie de reserva histórica em que algumas pessoas continuam a viver de acordo com valores e regras do passado, Bernard encontra um jovem que irá apresentar à sociedade asséptica do seu tempo, como um exemplo de outra forma de ser e de viver. Sem imaginar sequer os problemas e os conflitos que essa sua decisão provocará. Admirável Mundo Novo é um aviso, um apelo à consciência dos homens. É uma denúncia do perigo que ameaça a humanidade, se a tempo não fechar os ouvidos ao canto da sereia de uma falsa noção de progresso.

    Resenha: Neste livro vamos observar alguns personagens interessantes, porem muito mais importante que os personagens é a forma como os leitores se surpreendem com esse mundo diferenciado, por isso, não vou ter como foco dizer sobre os personagens desta magnifica historia. O jeito de viver, os costumes, a felicidade, o que é verdade e mentira, isso tudo é bem explicado no decorrer da trama e gera um desconforto enorme em nós leitores. Este livro tem o tipo de historia que nos faz refletir em coisas como:” isso pode acontecer um dia?”, “Como se vive desta forma?”
    Minha real intenção é despertar em todos aquela vontade de ler este magnifico livro, pois ira abrir um leque de ideias em sua mente, pensar o quanto a historia é surreal ou ate mesmo real, esse é o mais famoso livro de Aldoux Huxley e você precisa entender essa historia para ver se sua visão de mundo é muito diferente da do autor quando escreveu o livro na década de 30.


    Não foi em vão que este livro é considerado um clássico, um livro que os nomes dos personagens são marcantes e a divisão da sociedade é algo incrível e ao mesmo tempo “louco”, se tenho como resumir este livro em uma frase esta seria “Genial!”.

    Memórias de uma Gueixa - Arthur Golden - Resenha de Josielma Ramos

    Sinopse: "Memórias de uma Gueixa" é um romance fascinante, para ser lido de várias maneiras: como um mergulho na tradicional cultura japonesa, ou um romance sobre a sexualidade, e ainda, como uma descrição minuciosa da alma de uma mulher já apresentada por um homem. Seu relato tem início numa vila pobre de pescadores, em 1929, onde a menina de nove anos é tirada de casa e vendida como escrava. Pouco a pouco, vamos acompanhar sua transformação pelas artes da dança e da música, do vestuário e da maquilagem; e a educação para detalhes como a maneira de servir saquê revelando apenas um ponto do lado interno do pulso - armas e mais armas para as batalhas pela atenção dos homens. Mas a Segunda Guerra Mundial força o fechamento das casas de gueixas e Sayuri vê-se forçada a se reinventar em outros termos, em outras paisagens.

    Resenha: Narrado em primeira pessoa esse livro é um dos mais poéticos e melancólicos que provavelmente li na minha vida, é o tipo de leitura capaz de abrir uma ferida na alma, pois você sente a dor da protagonista. Ela narra seus medos e anseios de forma profunda e dolorosa.
    Escrito por Arthur Golden, um americano, muitos podem estranhar o fato de um japonês não ter escrito o livro, mas no próprio livro o autor explica, ele conheceu a gueixa que lhe contou suas memórias e que lhe pediu para serem publicadas apenas após sua morte.
    Chiyo Sakamoto nasceu em Yoroido em um vilarejo a beira-mar, morava em uma casinha bêbada (apelido que Chiyo deu a casa por parecer despencar para o lado), vivia como pai muito Idoso, a mãe e a irmã Satsu, sua vida era simples, mas tudo muda depois que sua mãe adoece o pai já havia perdido a primeira esposa e fica desnorteado ao perceber que teria que criar as duas meninas sozinho, e quando um conhecido propõe mandar as meninas para Kioto, ele faz a escolha que mudaria os destinos delas para sempre, ele as vende.

    “O destino não é sempre como uma festa no fim da tarde. Às vezes é apenas lutar na vida, dia após dia”.

    Em Kioto as irmãs são separadas e cada uma segue seu destino, Chiyo se torna criada em uma Okya (casa onde vivem as gueixas), onde é maltratada, explorada e humilhada por Hatsumomo que é uma gueixa de beleza exuberante, mas também uma mulher ambiciosa, perversa e invejosa, combinações perigosas, já sua irmã Satsu tem um destino ainda pior, torna-se prostituta.
    Chiyo se prende a esperança de encontrar sua irmã mais velha e fugir, mas seus planos são descobertos e ela fracassa. Com 9 anos sua vida é cheia de sofrimentos, trabalhos e esperanças de um adulto, Hatsumomo se aproveita da inocência de Chiyo para fazer com que ela sempre se encrenque e acumule dívidas na Okya o que tornaria impossível sua liberdade ou um futuro como gueixa, tendo que assim apenas trabalhar para pagar suas dívidas.
    Mas tudo muda no dia que ela conhece o presidente, ele se encantou por seus olhos e ela por ele, mas não sabia o que o futuro lhe aguardava.

    “Era como uma criança andando na ponta dos pés ao longo de um precipício sobre o mar”.
    Ao decorrer da história acompanhamos as transformações na vida de Chiyo, de garota inocente de um vilarejo de pescadores, para Sayuri (seu nome de gueixa) uma mulher inteligente, elegante e linda, seu sucesso na transformação em gueixa e suas lutas diárias para alcançar tal sucesso.

    “Desde o dia em que meu pai me vendeu como escrava fez cada uma de suas escolhas motivada pelo amor ao único homem que lhe estendeu a mão”.

    No livro é apresentado ao leitor um mundo desconhecido, cheio de mistérios, pois nunca antes havia sido relatada como era a vida de uma gueixa, é uma leitura envolvente, com grande carga cultural e relatos que você fica em dúvida se é realidade ou ficção. Nos mostra a verdadeira face de uma gueixa e ao contrário do que muitos pensam, gueixas não são prostitutas de luxo e sim grandes artistas que são treinadas e criadas desde a infância para entreter homens com sua beleza e talentos como dança, arte, literatura, música, etc...são entretenimento para os aristocratas nas casas de chá.
    As virgindades das gueixas são leiloadas aos aristocratas que podem vir a se tornar seus Danna (uma espécie de patrocinador da gueixa).

    “Não somos gueixas por querer, mas sim por falta de oportunidades, uma gueixa pode sim manter relações sexuais com seu Danna, caso contrário será uma gueixa sem virtudes e terá sua reputação na lama”.

    É uma história comovente, acompanhamos palavra a palavra suas lutas diárias, nos encantamos e nos sensibilizamos com esse mundo que nos é apresentado através da leitura, à escrita do autor é perfeita o que faz com flua bem e o leitor se sinta dentro da própria história, a diagramação está ótima, não encontrei erros na leitura e nova capa chama muita atenção, é um livro que sem quaisquer dúvidas eu recomendaria. 


    Primeiro aniversário da Maria Luiza

    Minha filha enfim fez 1 aninho, quem diria que 1 ano passa tão rápido, acho que toda mãe se sente assim no primeiro ano do filho, o aniversário dela foi no dia 27 de outubro e realizamos a festinha no dia 28, planejei com muito amor e carinho a festinha dela e convidei apenas as pessoas que amamos e fizeram parte dessa jornada conosco, teve muitas pessoas que eu queria presente mas se encontravam muito distantes para vir até aqui, mas estavam conosco em pensamento. 
    Foi tudo muito lindo e eu planejei com muito carinho, a decoração eu fiz sozinha usando inspirações do pinterest, o tema escolhido foi Jardim das borboletas a principio e depois se tornou Jardim da Maria Luiza, passei horas cortando borboletas e flores com minha irmã, e depois horas dobrando e cortando papel de seda para fazer flores grandes, o convite fiz online, isso ajudou a economizar a impressão e ficou muito lindo e personalizado.
    Eu pensei muito antes de decidir fazer a festinha da Maria Luiza, estamos passando por uma bela crise e o dinheiro tá curto, eu estou desempregada a um bom tempo e sabemos que não dá pra viver apenas da venda de livros, então como fazer uma festa com pouco dinheiro? confesso que consegui fazer um milagre, e com a ajuda da família tudo acabou dando muito certo no final e a festa dela ficou lindinha. 
    Vou postar as fotos desse momento lindo em nossas vidas, e em um próximo post conto como fiz cada coisinha. 
    Podem conferir muito mais fotos no instagram dela: @diariodamalua






    Sim o bolo é de verdade rsrs, todo mundo achou que era bolo fake, mas não era, um lindo bolo feito pela Fernanda, no próximo post colocarei o contato dela.


    Obrigada a todos que estiveram presentes, eu amo muito todos vocês.

    Retrospectiva: Internação e parto - 4° dia, nascimento da Maria Luiza

    No 4° dia tudo estava mais calmo depois daquela noite de horror, minha mãe passou a manhã e parte da tarde comigo, Wellington chegou no fim da tarde e minha mãe explicou tudo que havia ocorrido na noite anterior a ele, e que qualquer coisa era só chamar que ela viria correndo, tudo parecia tranquilo até que no inicio da noite as dores voltaram mesmo com a medicação, minhas contrações começaram de 15 em 15 minutos e foram diminuindo, logo estavam vindo de 5 em 5, a médica que veio me examinar ficou muito brava com as enfermeiras pois ninguém havia vindo me dar banho durante todo o dia, desde a noite anterior, e ela precisava me examinar e eu ainda estava toda ensanguentada, depois do banho a médica mandou me colocarem um cateter para a urina e mandou me monitorarem para ver os batimentos cardíacos do bebê, algo estava errado e dava pra notar na cara dela, porém ela nada me disse, o enfermeiro que ficou monitorando não conseguia encontrar os batimentos cardíacos, ele colocava o aparelho em todas as posições e nada, depois de algum tempo a médica voltou e fez o toque, eu estava com 8 cm de dilatação, ela pediu para continuarem monitorando.
    Teve troca de plantão das enfermeiras e adivinhem quem foi que entrou no quarto, uma das enfermeiras da noite anterior, ela entrou como se nada tivesse ocorrido na noite anterior e fez o trabalho dela, logo em seguida entrou a outra que estava com ela na noite anterior, mas como eu estava com o Wellington essa não me reconheceu, e já foi perguntando para a primeira, como está a nossa "amiguinha dos 7 de dilatação" a outra fez sinal para ela parar de falar e disse, "é ela", ai a outra toda sem graça olhou pra mim e disse, "sua mãe está mais calma" e depois olhou para o Wellington e disse "ainda bem que é você que está aqui hoje pai". É preciso ter sangue frio para lidar com algumas pessoas, e a minha preocupação naquele momento nem era mais o descaso dessas duas enfermeiras, era a vida da minha filha, a médica entrou em seguida e disse que se não conseguissem ouvir os batimentos ia fazer o parto porque eu estava dilatando muito rápido, e assim aconteceu, quando eu cheguei a 9 cm de dilatação ela me preparou para o parto, ela disse que tinha que fazer o parto o mais rápido possível dentro de meia-hora.
    Pra minha sorte as duas enfermeiras não ficaram na sala durante meu parto, quem ficou foi uma outra enfermeira que cuidou de mim no primeiro dia e que tinha sido muito legal comigo, Wellington me deu um beijo e disse que ia esperar lá fora, ele não curte ver sangue rsrs, e meu parto foi muito mais sossegado do que eu imaginei, no principio eu fiz tudo errado, eu ouvia nos quartos ao lado as mães gritarem e logo em seguida o choro dos bebês, então imaginei que se eu gritasse ela sairia, e não rolou rsrs, a enfermeira me mandou cerrar os dentes e fechar os lábios e fazer força, nas primeiras duas vezes nada aconteceu, e eu estava muito cansada, a médica acabou tendo que estourar a bolsa pois não estourou sozinha, ai fiz força mais duas vezes e o bebê nasceu, a médica já havia conversado comigo antes e me perguntado o nome dela, eu disse que ainda não sabia, que o pai queria Maria Eduarda ou Maria Luiza, e na hora que ela nasceu, ela me perguntou novamente, "E ai, qual vai ser o nome?" eu olhei aquela coisinha tão miúda na minha frente e disse "Maria Luiza", não deu tempo de dizer mais nada, saíram da sala com a minha filha e a levaram para uma incubadora que estava preparada esperando no corredor para leva-la a UTI.
    Wellington entrou no quarto falando "tem meu nariz" ele não assistiu o parto mas ficou na parte pior que foi a retirada da placenta, disso eu rui muito da cara dele depois. Eu aguardei em uma sala antes de ir para um quarto no andar da UTI, essa foi uma das partes mais difíceis para mim, fiquei em um quarto com mais 3 leitos, havia 3 mulheres com 3 bercinhos ao lado da cama, eas estavam com seus bebês e olhavam para mim com curiosidade, e assim fizeram suas visitas nos 3 dias seguintes ao me ver sem meu bebê.
    Mas nada se compara a finalmente poder ver minha filha, tomei um banho e fui para a UTI, uma sala muito clara, com várias incubadoras e bebês ligados a aparelhos entre a vida e a morte aguardando um desfecho, perguntei para a doutora se minha filha iria sobreviver e ela disse que se passassem as primeiras 75 horas ela estaria fora de risco, foram as 75 horas mais tensas da minha vida.
    E assim foi meu parto e desfecho da primeira parte de nossas vidas como mãe e filha.

    Foto de suas primeiras horas de vida.



     
    Copyright © Como vejo o mundo | Blog | Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por VR DESIGN :: VOLTE AO TOPO