• Home /
  • Sobre /
  • Contato /
  • Categorias
  • Vinícius de Moraes

    Tenho que confessar que eu tive uma fase da minha adolescência em que fui apaixonada por Vinicius de Moraes, tipo um amor platônico, seus poemas me inspiravam, sua vida boêmia, fumante e apreciador de Uísque, seu amores e vários casamentos ( sim ele se casou nove vezes), era conhecido como "Poetinha e Conquistador".
    Sua obra é vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música. No campo musical, o poetinha teve como principais parceiros Tom Jobim,ToquinhoBaden PowellJoão GilbertoChico Buarque e Carlos Lyra.

    Vinicius de Moraes nasceu em 1913 no bairro da Gávea, no Rio de Janeiro, filho de Clodoaldo Pereira da Silva Moraes, funcionário da Prefeitura, poeta e violinista amador, e Lídia Cruz, pianista amadora. Vinícius é o segundo de quatro filhos, Lygia (1911), Laetitia (1916) e Helius (1918)
    No fim da década de 1920 Vinicius de Moraes produziu letras para dez canções gravadas - nove delas parcerias com os Irmãos Tapajós. Seu primeiro registro como letrista veio em 1928, quando compôs (com Haroldo) "Loura ou Morena", 

    Loura ou Morena

    Se por acaso o amor me agarrar 
    Quero uma loira pra namorar 
    Corpo bem feito, magro e perfeito 
    E o azul do céu no olhar 
    Quero também que saiba dançar 
    Que seja clara como o luar 
    Se isso se der 
    Posso dizer que amo uma mulher 
    Mas se uma loura eu não encontrar 
    Uma morena é o tom 
    Uma pequena, linda morena 
    Meu Deus, que bom 
    Uma morena era o ideal 
    Mas a loirinha não era mau 
    Cabelo louro vale um tesouro 
    É um tipo fenomenal 
    Cabelos negros têm seu lugar 
    Pele morena convida a amar 
    Que vou fazer? 
    Ah, eu não sei como é que vai ser... 
    Olho as mulheres, que desespero 
    Que desespero de amor 
    É a loirinha, é a moreninha 
    Meu Deus, que horror! 
    Se da morena vou me lembrar 
    Logo na loura fico a pensar 
    Louras, morenas 
    Eu quero apenas a todas glorificar 
    Sou bem constante no amor leal 
    Louras, morenas, sois o ideal 
    Haja o que houver 
    Eu amo em todas somente a mulher.



    Na madrugada de 9 de julho de 1980 Vinicius de Moraes começou a se sentir mal na banheira da casa onde morava, na Gávea, vindo a falecer pouco depois. O poeta passara o dia anterior com o parceiro e amigo Toquinho, com quem planejava os últimos detalhes do volume 2 do álbum "Arca de Noé". Em 1981, este LP foi lançado.
    Mesmo após a morte, a obra musical de Vinicius manteve-se prestigiada na música brasileira. 
    Sua obra é vasta e muito linda, e confesso que ainda sou apaixonada por toda essa arte e poesia que esse grande autor me proporcionou ao longo do meu crescimento. 
    Comentários
    0 Comentários

    0 Comentários:

    Postar um comentário



     
    Copyright © Como vejo o mundo | Blog | Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por VR DESIGN :: VOLTE AO TOPO